domingo, 16 de novembro de 2008

Boas novas da Rádio Santo Dias


O Conjunto Palmeiras, bairro situado na periferia de Fortaleza, é conhecido pelo forte espírito comunitário de seus moradores. Foi lá que surgiu uma bem sucedida experiência de economia solidária, o Banco Palmas, e um projeto de comunicação feita para e pela comunidade, a Rádio Santo Dias.

Essa emissora nasceu em 1989 da vontade dos padres italianos Chico Moser e Luís Fornasier, que queriam interligar as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e existentes ali, para que trocassem informações entre si, auxiliando na articulação dos movimentos sociais do bairro. Porém, das 12 radiadoras instaladas, só a Santo Dias (que homenageia o operário Santo Dias da Silva) vingou. A rádio contava com o apoio de vários moradores do Conjunto Palmeiras, que conduziam uma programação variada, composta de programas musicais, recados aos membros da comunidade e noticiários. A dedicação de pessoas como Marinês Chaves, Gleilson da Silva e Wayne Tiago, que estavam à frente do projeto, tinha como retribuição a intensa participação do restante da comunidade.

Em 2001, a Santo Dias ultrapassou as limitações do sistema de radiadoras, que consistia em meras caixas de som espalhadas pelo pátio da igreja, para ganhar uma freqüência, a 87,9 FM. Pouco depois, sobrevieram os problemas. Em 2004, a Anatel e a Polícia Federal entraram na rádio e levaram grande parte dos equipamentos de transmissão. 10 meses antes, os agentes já haviam lacrado a sede. Até hoje, ninguém entende por que acharam necessário levar o material, visto que, ao ser lacrada, a rádio saiu do ar. Além disso, já havia dois anos que Wayne, Marinês e muitos outros corriam atrás da legalização da emissora, por meio da obtenção de uma concessão.

Pois bem, já se passaram quase cinco anos desde que a ação arbitrária da Anatel. A Santo Dias ainda não recuperou os equipamentos e sua freqüência acabou sendo concedida a uma rádio evangélica. No entanto, aqueles que antes tocavam a rádio ainda não desistiram de levar à frente esse projeto tão querido: eles ainda lutam para conquistar uma concessão e para fortalecer a comunicação dentro da comunidade.

Estive lá semana passada e recebi notícias animadoras. A Paróquia São Francisco, que abriga a emissora, irá criar, no próximo ano, uma Pastoral da Comunicação, que trabalhará com projetos junto à juventude, de modo a afastá-la da violência - que cresce a cada dia no bairro - e fortalecer o papel da comunicação para a coesão entre os moradores.

Além disso, um grupo está desenvolvendo um projeto de webrádio no Centro Social Urbano (CSU) do bairro, projeto este que será implantado justamente na Rádio Santo Dias. Então, mesmo que a concessão ainda demore, em breve, voltaremos a ouvir as vozes do Conjunto Palmeiras, ecoando mais uma através da Rádio Santo Dias. Agora é esperar a emissora ressurgir na rede!