segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Mais complexo do que parece


Confesso que não venho acompanhando os conflitos entre regiões separatistas e o governo da Bolívia que ocorrem já há algum tempo e, de vez em quando, são quase que festejados por parte da imprensa brasileira, como sinal do fracasso do presidente Evo Morales. Só parei para ler esta notícia, em especial, porque refletia tal realidade por um prisma que me interessa: o rádio, representado, aqui, pela Integración, única emissora partidária de Morales na cidade de Santa Cruz de la Sierra.

É uma leitura que recomendo, por demonstrar que o que está acontecendo na Bolívia vai muito além da figura de um governante, envolvendo questões como o racismo e as desigualdades sociais exacerbados. Essa reportagem foi feita in loco pela equipe do UOL. Ao invés de adotar maniqueísmos pré-concebidos, o repórter Rodrigo Bertolotto relata o que viu em um bairro pobre e de maioria pró-Morales, incrustado em uma região separatista, concluindo, sem escolher lados, que "no jogo de informações de uma imprensa entrincheirada como a Bolívia, a verdade é a primeira vítima".

Em tempo: não sou pró-Morales nem torço pelo desmembramento do país. Só achei que valia a pena compartilhar uma breve reflexão.

sábado, 13 de setembro de 2008

Flanando em outras vizinhanças

O blog anda meio parado, mas não sumi completamente da Internet, não. É que finalmente descobri uma utilidade construtiva e divertida pro meu inglês, que sempre tá perigando enferrujar: estou colaborando como tradutora pros sites Whiplash e Global Voices em português. Neste último, em especial, minha consciência de mundo tem crescido bastante: lendo as notícias da mídia cidadã em diversos países e traduzindo as opiniões de blogueiros a milhares de quilômetros de mim, tenho me sentido parte de uma rede imensa, como não me sentia há muito tempo. E o mais interessante: esse universalismo é alcançado através da partilha do que acontece na pátria de cada blogueiro, de cada colaborador.

Recentemente, tive a chance de estar do outro lado, alimentando o site em inglês com conteúdo inédito sobre um episódio ocorrido nas eleições aqui em Fortaleza. Depois disso, a história pode ganhar versões em alguns dos muitos idiomas para os quais o Global Voices é traduzido, alcançando cada vez mais gente, que pode relacionar aquilo à sua realidade própria.

Um dos motivos por que sempre me interessei por aprender idiomas é justamente esse grau de conexão que falar a língua do outro proporciona. Entender alemão ou espanhol é muito mais que conhecer sinônimos estrangeiros, é compreender melhor as culturas em que esses idiomas estão inseridos e, assim, poder se relacionar melhor com as pessoas que as vivenciam. Por isso, o trabalho que o time de tradutores dos sites Global Voices desenvolve é tão fascinante: cabe a eles imergir nas histórias contadas em inglês e aproximá-las daqueles com quem dividem sua língua mãe. Além de tudo, é viciante!